quarta-feira, 27 de junho de 2012

RPPNM -Reserva Particular do Patrimônio Natural e sua Relevância para a Preservação da Floresta de Araucária em Curitiba

 RPPNM Bosque da Coruja -  criada em maio de 2012


A Reserva Particular do Patrimônio Natural Municipal - RPPNM é um dos mecanismos que pode contribuir para que CURITIBA continue sendo um exemplo em ações ambientais e de sustentabilidade, propiciando qualidade de vida aos seus habitantes.
De 2006 até 2012 somente cinco RPPNMs foram criadas sendo que existem mais de 700 propriedades particulares que potencialmente poderiam se tornar reservas.
É emergencial incentivar a criação de mais RPPNMs agregando o devido valor à estas propriedades pelo serviço ambiental que prestam à população; encontrar mecanismos efetivos de compensação financeira que possibilitem aos proprietários das matas nativas de Curitiba continuarem preservando, evitando a venda de suas áreas.
Acesse o linko abaixo e contribua para a preservação das matas nativas de Curitiba.
http://www.avaaz.org/po/petition/Preservar_as_Areas_Naturais_Particulares_de_Curitiba_com_suas_Florestas_de_Araucaria_ameacadas_de_extincao_1/ 

sábado, 23 de junho de 2012

terça-feira, 19 de junho de 2012

Green City Award: Curitiba recebe prêmio internacional da Rio+20

 A VOZ QUE NÃO CALA!

Curitiba recebeu na Rio + 20 o prêmio Global Green City Award (Cidade Verde). O título foi concedido pelo Fórum Global sobre Assentamentos Humanos – GFHS. A capital paranaense foi a única cidade da América do Sul a receber o título. Outras premiadas foram: Nantes, França; Los Angeles, EUA; Suining e Duyun, China e a eco-cidade sinocingapuriana de Tianjin.

É um reconhecimento à política ambiental do município, que vem sendo consolidada mediante ações de proteção, recuperação, controle, monitoramento, educação ambiental e implantação de áreas de conservação e lazer, de forma a manter e melhorar a qualidade de vida dos curitibanos”, disse a secretária do Meio Ambiente, Marilza Dias, ao receber o prêmio pela cidade na noite desta segunda-feir, 18 de junho.






Sei que deveria estar comemorando este prêmio, mas a voz dentro de mim que não quer calar sabe muito bem que a nossa premiada "Cidade Verde" está perdendo seu Verde. Só não vê quem não quer ou quem preso está à ilusão da imagem que se tem vendido de Curitiba nos últimos tempos! 

Esperamos que a PMC comece efetivamente a dar o devido e merecido  apoio à criação de mais RPPNMs que são as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Municipal,  bem como ações de proteção, preservação das nossas matas nativas, antes que construtoras sem nenhuma iniciativa sustentável coloquem ainda mais abaixo a biodiversidade de nossas matas de araucária com sua fauna, flora e águas! Que cuide das áreas verdes públicas também, muitas delas abandonadas, servindo de refúgio prá drogas e criminalidade, além do lixo nelas despejado. 

Me entristeço quando deveria me alegrar, pois Coré Tuba chora em suas entranhas e vai ver que é por isto que chove tanto nesta cidade nestes últimos tempos. As lendas índigenas dos Tínguis, primeiros habitantes desta terra e de origem Tupi-Guarani devem explicar tudo isto. A terra chora, pois não merece o descaso com o qual vê seu bem mais precioso que é sua floresta de araucária, já tão ameaçada de extinção, agora mais ainda em perigo!

Nós da APAVE- Associação dos Protetores de Áreas Verdes de Curitiba e RM e o Grupo de Trabalho pela Preservação das Matas Nativas de Curitiba e RM estamos muito atentos e empenhados para que os cidadãos e o poder público desta cidade abram os seus olhos enquanto ainda é tempo e que possamos nos unir, sociedade civil e poder público para estancar esta hemorragia que pode pouco a pouco acabar com a nossa linda cidade já não tão verde como apregoado pro aí!

Terezinha Vareschi
Vice-presidente da APAVE
Proprietária e Gestora da Airumã Estação Ambiental

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Araucária, espécie em extinção: Símbolo do Paraná.

Muito pertinente para este momento da Rio+20 e de toda esta questão ambiental, este artigo no Blog do Eloi Zanetti   sobre o paranaense e sua árvore símbolo a araucária, entitulado "O que faz sentido aos paranaenses?" Valer ler e refletir a respeito! (Terezinha Vareschi)

                               


"... Mas o que é que pode, realmente, fazer sentido para todos nós paranaenses? Algo que tenha a capacidade de nos unir como povo. Uma manifestação que pertença a um só de nós e ao mesmo tempo a todos? Como o candomblé na Bahia, o vanerão no Rio Grande do Sul, a folia do divino em Minas ou o maracatu em Pernambuco? Depois de algum pensar, cheguei à uma conclusão e quero reparti-la com você:
Acredito que só o pinheiro tenha o poder da representatividade como nosso símbolo mítico. Ele seria como um totem sagrado, um objeto de veneração, uma marca, uma insígnia. Só mesmo a araucária é capaz de nos retratar como Estado. Ela está presente nesse território há mais de 250 milhões de anos e ocupava quase todo o Paraná quando os primeiros colonizadores chegaram.
Platão disse que só amamos aquilo que conhecemos. Fico abismado quando observo o quanto viramos as costas e somos negligentes com uma das árvores mais bonitas do planeta. Que em menos de cem anos conseguimos destruir as reservas de uma das poucas espécies ainda vivas, legítimas herdeiras da era dos dinossauros. E que recentemente foi vítima de maldosa campanha por parte de alguns políticos e fazendeiros que tentam de todas as maneiras brecar a formação de algumas reservas nos Campos Gerais. Reservas que não representam nada, comparadas em área com o que já foi destruído.
O movimento paranista, estimulado por Romário Martins e que ganhou expressão nos talentos de João Turin, Zaco Paraná, Lange de Morretes, Alfredo Andersen, João Ghelfi e outros, percebeu o potencial e a força do pinheiro como marca e o desenhou nas calçadas de petit-pavé das nossas ruas, nos monumentos e murais das praças.
Mas como nós paranaenses somos por formação um povo de negociantes e não de guerreiros, fomos adorar outro símbolo – o vil metal. E, em vez do pinheiro como força de união, passamos a adorar o bezerro de ouro da extração predatória e do comércio. Vendemos a nossa primeira chance de identidade já no início da nossa organização social. O único símbolo paranaense embarcou nos navios de carga em Paranaguá e foi virar mesas e cadeiras em outros países.
Alguns de nós já perceberam que nada paga a ausência dos pinheiros ao pôr-do-sol no horizonte dos nossos planaltos. Você pode estar pensando que sou ingênuo demais. Não, não sou. Na mitologia, o totem sagrado representa o reservatório da energia de um povo. E devemos respeitar os símbolos mitológicos, pois nossas raízes mais profundas estão todas lá. Quer outra explicação? É por não termos um mito inicial que somos tão desarticulados como povo e tão desunidos politicamente.
Chorem comigo pela extinção das nossas araucárias. Pois, num futuro próximo, nossos descendentes herdarão esse descaso. Serão como nós: uma tribo sem totem, um povo sem mito. Desarticulados, atravessando combalidos o deserto da nossa destemperança. Lembrando Drummond poderão dizer: “Este pinheiro é apenas uma fotografia na parede. Mas como dói!”.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Dia 23 de Junho de 2012 - Círculos Ancestrais da Água: caminho de autoconhecimento para mudar e transformar a própria vida.


Venha participar dos Círculos Ancestrais da Água e escutar todas as águas presentes no Ser através do reencontro com a intuição e a criação. O círculo representa a totalidade e é um instrumento para conduzir ao Eu Profundo. É um símbolo para o entendimento do mistério da Roda da Vida, propiciando acessar nosso próprio caminho de autoconhecimento para mudar e transformar a própria vida. 






Angela Hitzilinsin



  • Condutora de Temazkal (Tenda do Suor) e Carregadora de Pipa pelo Fogo Sagrado de Itzachilatlan do Brasil 
  • Terapeuta Ayurvédica
  • Reiki Master
  • Master Teacher in Magnified Healing

sábado, 2 de junho de 2012

Programa E-CONS: notícia no Agência Brasil de Brasília

ONG viabiliza investimento privado para projetos de conservação ambiental

 01/06/2012 - 20h44

Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil
Brasília - Seis projetos de conservação ambiental que já mostram resultados em diferentes biomas do país recebem financiamento privado para expandir a experiência, graças a uma organização não governamental que une quem quer preservar a quem quer financiar.  Entre os beneficiados, está uma iniciativa de conservação de 36 mil metros quadrados de Mata Atlântica em plena Curitiba.
Duas diferenças tornam a iniciativa inusitada. A primeira é que os projetos foram idealizados por cidadãos comuns que tinham como proposta a conservação de uma determinada espécie ou biodiversidade. A segunda é que são empresas privadas que estão por trás desses financiamentos.
Os elos começaram a ser formados pela organização não governamental Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS). O diretor executivo da ONG, Clóvis Borges, reconhece a dificuldade em encontrar iniciativas “maduras e menos superficiais” para ajudar a financiar, mas comemora resultados como o do projeto de conservação da Mata Atlântica da paranaense Terezinha Vareschi.
Terezinha, que mora em uma área de 36 mil metros quadrados de área nativa conservada em Curitiba, contornou as pressões sofridas pela especulação imobiliária, comuns na maioria das cidades de médio e grande porte, e transformou a propriedade em Reserva Particular do Patrimônio Natural Municipal (RPPNM).
No ano passado, a paranaense conseguiu criar, com apoio de outros proprietários de áreas naturais, a Associação dos Protetores de Áreas Verdes Relevantes de Curitiba e Região Metropolitana. O grupo organiza debates para incentivar outros proprietários a protegerem seus remanescentes naturais.

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-06-01/ong-viabiliza-investimento-privado-para-projetos-de-conservacao-ambiental

Terezinha Vareschi - Empreendedora da Conservação












07/05/2012

Terezinha Vareschi, proprietária de uma área com 36 mil m2 de mata nativa na cidade de Curitiba, que está em vias de se tornar uma Reserva Particular do Patrimônio Natural Municipal (RPPNM) - foi escolhida pelo Programa Empreendedores da Conservação representando projetos desenvolvidos em ambiente urbano. Veja a reportagem no link abaixo:

http://g1.globo.com/videos/parana/bom-dia-pr/t/edicoes/v/solucoes-inovadoras-para-cuidar-e-preservar-a-natureza-em-areas-particulares/1935699/

http://www.programaecons.org.br/  

www.airumaestacaoambiental.blogspot.com 

https://www.facebook.com/ecoairuma 

https://www.facebook.com/terevareschi 

www.terevareschi.blogspot.com 

Soluções inovadoras para cuidar e preservar a natureza em áreas particulares em Curitiba

 

 Reportagem da Globo  sobre o programa E-CONS no Bom Dia Paraná e a entrevista com a E-CONS Terezinha Vareschi em sua propriedade a Airumã Estação Ambiental (Reserva Ambiental Urbana), no link abaixo:

 http://g1.globo.com/videos/parana/bom-dia-pr/t/edicoes/v/solucoes-inovadoras-para-cuidar-e-preservar-a-natureza-em-areas-particulares/1935699/

Mais sobre nós: 

http://www.programaecons.org.br/  

www.airumaestacaoambiental.blogspot.com 

https://www.facebook.com/ecoairuma 

https://www.facebook.com/terevareschi 

www.terevareschi.blogspot.com